Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Imprensa > Ultimo encontro do "Cidade na Palma da Mão" marca fim do Programa Institucional "Educação Pela Cidade"
Início do conteúdo da página

Ultimo encontro do "Cidade na Palma da Mão" marca fim do Programa Institucional "Educação Pela Cidade"

Publicado: Quarta, 11 de Dezembro de 2019, 22h55 | Última atualização em Quarta, 11 de Dezembro de 2019, 22h56 | Acessos: 711

O encerramento aconteceu nesta quarta-feira (11), na sala João Cardoso Ayres, campus Debry da Fundaj

Foram três anos dedicados às relações entre cidade, tecnologia e educação. Nesta quarta-feira (11), a vigência do Programa Instituiconal 3, "Educação Pela Cidade", da Fundação Joaquim Nabuco, chegou ao fim. Sob a coordenação do arquiteto e pesquisador, Cristiano Borba, o evento final, realizado na sala João Cardoso Ayres, campus Debry da Fundaj, também fechou o ciclo de palestras "Cidade Na Palma da Mão" - realizado ao longo das últimas três semanas.

Entre os presentes, o público interno e externo. Com a tônica “Cidades Educadoras", compuseram o debate - mediação de Borba - a mestre em urbanismo contemporâneo, Dayana Araujo; e a mestre em Design Estratégico, Carla Link.

Em sua fala, Carla trouxe um pouco da memória bairrista, de uma gaúcha que, ao mudar para São Paulo, aflorou a percepção sobre o que era, de fato, a cidade. Apresentando um de seus projetos, o “@talking_city”, ela entrelaçou exemplos de participação cidadã com a necessidade de aproximação entre pessoas e governo.

Ainda nessa abordagem, a mestre em Design Estratégico falou sobre o que chamou de “hacker urbano”, ou seja, pessoas que penetram espaços para solucionar problemas e realizar ações positivas. “É preciso ter atitudes propositivas, paciência e elaboração de oportunidades. Precisamos lembrar que reconhecer é diferente de agir, e que a ideia gera a forma”, explicou Link.

Logo em seguida, a mestre em urbanismo contemporâneo, Dayana Araujo, apresentou o desenvolvimento da “Cidade Escola Aprendiz”, uma atitude quer surgiu há 22 anos, em São Paulo, fomentando educação em espaços públicos, como uma praça. Para começar, o conceito de "Bairro-Escola" foi apresentado: a prendizagem compartilhada, articulando e aproximando escolas, comunidades, organizações sociais, empresas e poder público, com o objetivo de promover condições para o desenvolvimento integral de indivíduos.

"Quando se garante o direito à educação e à cidade, desenvolvemos um potencial. Em um território educativo, a escola precisa atuar como agente transformador, tendo acesso a bens e saberes culturais locais. A participação social também é fundamental nesse processo, sendo tão necessária quanto a intersetorialidade que constrói uma rede de proteção para crianças e adolescentes, por exemplo", dividiu Dayana.

Outro pilar apresentado, durante a elucidação da mestre em urbanismo, foi a necessidade de que alterações nas paisagens de espaços educativos sejam feitas em função de ações pedagógicas. Segundo Dayana, "É preciso entender que cidade é conflito, mas que podemos intervir com cuidado, levando em conta alguma metodologia. Não é um banquinho colorido que vai resolver nossos problemas".

Ao longo das três últimas semanas, o "Cidade na Palma da Mão" fomentou também discussões sobre “Ativação e Inovação” e “Desenvolvimento Urbano”. Com o encerramento do ciclo, Cristiano Borba avaliou a vivência. “Acredito que, dentro os cinco Programas Institucionais, esse foi o mais multidisciplinar, principalmente pelo tema, que abrange tantas áreas e pessoas. Caminhamos com autonomia, atuamos em cidades do interior e, no final das contas, trouxemos parceiros para perto”.

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página

Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o fundaj.gov.br, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de privacidade. Se você concorda, clique em ACEITO.