Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Engenho Massangana > Engenho Massangana > Engenho Massangana > Um dia de Julho Divertido no Massangana (03/08/12)
Início do conteúdo da página

Um dia de Julho Divertido no Massangana (03/08/12)

Publicado: Sexta, 03 de Agosto de 2012, 15h55 | Última atualização em Quinta, 20 de Dezembro de 2018, 20h51 | Acessos: 1302

“A base pro maracatu e pra ciranda é essa, ó…” dizia Enerson, mediador da oficina de percussão Batuques da Resistência, enquanto as baquetas, encontrando-se com tambores conhecidos como alfaias, faziam ressonar as batucadas que atraiam crianças da casa-grande para a área próxima à almanjarra. Do pequeno grupo que se formava pouco a pouco ali, oito crianças, distribuídas em alfaias, agbê (ou xequerê), gonguê, ganzá e taróis estavam sempre presentes, algumas desde eventos passados como o Janeiro Divertido ou mesmo quando os baques começaram em Novembro do ano passado, no evento de Identidade e Consciência no Engenho.

Na primeira vez em que foi realizada, a oficina contou também com a mediação do vocalista e rabequeiro do Toadas de Pernambuco (Cabo de Santo Agostinho), Ricardo dos Santos, mais conhecido como Rico. Hoje, Enerson, que tinha aulas de música com Rico, dá continuidade ao trabalho de percussão com um público de adulto a infantil, embora encontre no grupo de meninos da Vila Massangana e da Serraria, nos seus dez a doze anos, frequentadores assíduos dos bancos sob a sombra do baobá “gostaria de criar algo ainda mais sólido. Eles são bons e gostam daqui”

Perto da casa, outro grupo de crianças, curioso com a colorida cabeleira que subia e descia em narrações dramatizadas, se formava para ouvir as fábulas pela mediadora Maria José. Próximo à árvore africana, mais um grupo ouvinte de histórias de um Nabuco que, sob o mesmo cenário, conhecia há dois séculos atrás as mazelas do escravismo. A oficina de futebol foi outra querida entre os pequenos, que acontecia durante os sábados.

Assim foram os outros dias do chuvoso mês: envolvimento e entusiasmo de mediadores e de público jovem e infantil. O Engenho recebeu cerca de quatrocentas e vinte pessoas para participar do evento e conhecer as instalações da Casa Grande e Capela de São Mateus.

Fim do conteúdo da página

Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o fundaj.gov.br, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de privacidade. Se você concorda, clique em ACEITO.