Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Pesquisas em 2010- Atualmente > CLIMAP - Mudanças Climáticas no Bioma Caatinga: Sensoriamento Remoto, Meio Ambiente e Políticas Públicas (Neison Cabral Ferreira Freire), 2017 - 2020.
Início do conteúdo da página

CLIMAP - Mudanças Climáticas no Bioma Caatinga: Sensoriamento Remoto, Meio Ambiente e Políticas Públicas (Neison Cabral Ferreira Freire), 2017 - 2020.

Publicado: Quinta, 08 de Abril de 2021, 10h27 | Última atualização em Quinta, 08 de Abril de 2021, 11h14 | Acessos: 271

Nome da Pesquisa: CLIMAP - Mudanças Climáticas no Bioma Caatinga: Sensoriamento Remoto, Meio Ambiente e Políticas Públicas

Data: 2017 - 2020

Instituição Financeira: Fundaj

Equipe de Pesquisa: Drª. Alexandrina Saldanha Sobreira de Moura, Drª. Débora Coelho Moura, Drª. Débora Cavalcanti, Dr. Admilson da Penha Pacheco, Dr. Odair Barbosa de Moares

Coordenador: Dr. Neison Cabral Ferreira Freire

Resumo:

O objetivo desta pesquisa consistiu em investigar os possíveis efeitos das mudanças climáticas (MC’s) em áreas selecionadas no Bioma Caatinga, considerando dois aspectos fundamentais: por um lado, o registro espectro-temporal das mudanças no uso e ocupação do solo em unidades de conservação de proteção integral e áreas agropastoris e, por outro, a dinâmica dos corpos hídricos superficiais que têm múltiplos usos de suas respectivas águas no semiárido. Para tanto, foram utilizados dados de Sensoriamento Remoto obtido por satélites que têm o potencial de fornecer informações detalhadas sobre as propriedades da superfície da terra e os parâmetros a nível local ou em escala regional, Isto permitiu imagear porções do espectro eletromagnéticos além da região do visível. Tal característica permite aprofundar a extração de informações sobre os alvos na superfícieterrestre, especialmenteaqueles de maiorsensibilidade à região do infravermelho, como é o caso de estudos que envolvam a cobertura de vegetação, sendo fundamental no monitoramento dos impactos das mudanças climáticas, especialmente em regiões semiáridas, como é o caso do bioma Caatinga. Nesse sentido, imagens multiespectrais e multitemporais de satélites, em conjunto com bases de dados locais e mapas, foram utilizadas para examinar a natureza, tendência e quantificação do processo de monitoramento ambiental das novas unidades de conservação previamente selecionadas.  

A delineação e o mapeamento da caatinga são realizados para estabelecer uma base confiável para o seu monitoramento espaço temporal. Foram, ainda, observados e mapeados a dinâmica dos principais corpos hídricos superficiais nos últimos 28 anos na região de caatinga em Alagoas a partir dessas séries temporais de imagens satelitais, revelando um quadro preocupante numa região onde as médias pluviométricas anuais raramente ultrapassam os 500m, podendo variar entre 300 a 800mm/ano. A pesquisa mostrou que a crise hídrica é mais impactante nas populações de alta vulnerabilidade social nessa região, onde o acesso à água se tornou mais difícil com as mudanças climáticas com a privatização de lagoas, desaparecimento e diminuição de açudes públicos e ausência de políticas públicas de mitigação às MC’s. Em outra área selecionada, o registro da variação de albedo mostrou que a mudança no uso do solo de caatinga para agricultura irrigada para exportação, embora tenha proporcionado altos rendimentos ao agronegócio, trouxe maiores contribuições ao aquecimento global por meio do aumento das emissões de energia refletida à atmosfera do planeta, além da perda de extensas áreas naturais e suas consequências à biodiversidade do bioma.

Fim do conteúdo da página

Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o fundaj.gov.br, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de privacidade. Se você concorda, clique em ACEITO.