Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Pesquisas Concluídas > 2000 – 2009 > O POLO DE CONFECÇÕES DE TORITAMA: análise das relações de trabalho e da informalidade( Luis Henrique Romani de Campos) ,2008
Início do conteúdo da página

O POLO DE CONFECÇÕES DE TORITAMA: análise das relações de trabalho e da informalidade( Luis Henrique Romani de Campos) ,2008

Publicado: Segunda, 19 de Março de 2018, 14h02 | Última atualização em Quinta, 25 de Abril de 2019, 10h41 | Acessos: 747

Nome da Pesquisa: O POLO DE CONFECÇÕES DE TORITAMA: análise das relações de trabalho e da informalidade
Data: 2008
Instituição Financiadora: FUNDAJ
Equipe da Pesquisa: André Luis Santiago Maia; Darcilene Gomes; Helyon Fonseca Rego (estagiário PIBIC – FBV); Isabel Raposo; Ivone Aquino de Medeiros; Kallyne Andréia Rodrigues Moura (estagiária PIBIC – FBV); Luis Henrique Romani Campos; Magda de Caldas Neto; Tabira de Souza Andrade (mestranda visitante – UFPB); Valtemira Vasconcelos (estagiária PIBIC – FBV); Wilson Fusco.
Coordenador(a): Luis Henrique Romani de Campos
Palavras Chave: Indústrias de confecções; Arranjo produtivo local; Polo de confecções do Agreste; Economia Pernambucana; Trabalho informal.
Resumo: A pesquisa analisou as relações de trabalho e a informalidade existentes na cadeia produtiva de confecções no município de Toritama. Localizado no Agreste Pernabucano, mais especificamente os municípios de Caruaru, Santa Cruz do Capibaribe e Toritama, considerado importante polo de produção de confecções, passa a apresentar relevante crescimento e reconhecimento a partir da década de 90, despertando o interesse de diversas esferas governamentais em apoiar e desenvolver a região, partindo do princípio de que este interesse progressivo passa pelo entendimento de que as regiões com grande concentração de pessoas em determinado tipo de atividade produtiva possuem vantagens competitivas, capaz de provocar o desenvolvimento econômico local, tal como estimular as economias dos municípios vizinhos.
Como base, o relatório adota, entre outros, o conceito proposto pela REDESIST, que utiliza o nome de “Arranjos Produtivos Locais” (APLs), devido o termo apresentar maior difusão entre os economistas brasileiros, enquadrando em nosso cenário os conceitos adotados por economistas de outros países. O relatório também consiste do corte neoshumpeteriano e referências relativas à finanças públicas, à economia do trabalho e à migração, visto que a pretensão é apresentar uma visão sistemática da dinâmica produtiva do município de Toritama, evidenciando fatores que não têm sido abordados por outros estudos.
A pesquisa detalhou as relações de subcontratações, verificando se estas contam como reflexos de formas modernas de cooperação ou se escondem relações de trabalho informal; comparar a qualidade de trabalho entre as empresas formais e informais, verificar a ocorrência e a qualidade do trabalho de produção efetuado nas residências e elucidar os motivos da manutenção da informalidade das empresas, mesmo com o polo em expansão.

pdf_button Download

Fim do conteúdo da página

Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o fundaj.gov.br, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de privacidade. Se você concorda, clique em ACEITO.